Coralnet.com.br - Página principal

Com o Santa Cruz das arquibancadas para o Mundo - desde 1996

Matéria Especial

Entrevista com o vice-presidente Édson Nogueira

Publicado: segunda-feira,14 de março de 2005
Por: CoralNET

Ele é conhecido pela sua competência, seu profissionalismo e pela sua irreverência. Foi vencedor em todos os lugares por onde passou, principalmente quando esteve a frente de esportes amadores.

Há pouco mais de dois meses, assumiu a responsabilidade de, juntamente com Romero Jatobá, comandar e mudar radicalmente o modo de gerenciamento do clube conhecido nacionalmente como o Clube das Multidões.

Édson Domingues Nogueira, tem 61 anos, é formado em direito, delegado, empresário e atualmente, também, vice-presidente do Santa Cruz. Edinho, para os íntimos, foi entrevistado pela repórter da CoralNET Suellen Vilela.

QUAL A ANÁLISE QUE VOCÊ FAZ DA ATUAL GESTÃO DO CLUBE?
Apesar das dificuldades serem imensas, considero 100% vitoriosa nesses dois meses de trabalho. A grande vantagem é que contamos com um presidente que já vinha participando da gestão passada. No estado de Pernambuco, Romero Jatobá é quem mais conhece o Santa Cruz.

AO ASSUMIR, VOCÊ CHEGOU A SE ASSUSTAR COM A SITUAÇÃO REAL DO CLUBE?
A situação não me assustou porque eu conversava com Romerito constantemente, isso me deixava sempre por dentro do que estava acontecendo.

QUAL O MAIOR PROBLEMA DO SANTA CRUZ NO MOMENTO?
O mesmo problema de todos os outros clubes do Brasil, a falta de estrutura financeira. Com exceção de uns três ou quatro times que tem parcerias fortes.

O QUE MUDOU NO CLUBE DEPOIS DA POSSE DA ATUAL DIRETORIA?
Não posso dizer que mudou, porque é uma seqüência da administração de José Neves, mas acredito que esteja evoluindo dentro do que foi planejado pelo presidente. Romerito sempre foi o braço direito de Zé, ele fica muito feliz quando diz que o clube era dividido por dois, e hoje é dividido por três (Romerito, Edinho e José Neves) e mais trinta e cinco (diretores).

VOCÊ PROMETEU MUDANÇAS NO FUTEBOL AMADOR, O QUE JÁ FOI FEITO?
Por enquanto não mudou, por que até agora, para o futebol amador nós só trouxemos um bom olheiro e um excepcional coordenador. A torcida cobra mais da equipe profissional. Ainda é muito cedo para uma modificação radical, ou transformação total de um clube dentro de dois meses. Nossa evolução será gradativa.

POR QUE O FUTEBOL DE SALÃO SÓ RETORNARÁ ÀS ATIVIDADES NO SEGUNDO SEMESTRE?
Porque ele não tem vida própria. O departamento de amador do Santa Cruz precisa entender que tem que trazer dirigentes que vão gerir a sua vida própria.



UM FUTSAL FORTE COM JOGADORES E TREINADOR DE PESO É SUA META?
Tudo no Santa tem que ser forte. Do porteiro ao presidente.

COMO ANDA A REFORMA DA CONCENTRAÇÃO DE JUNIORES?
Charles Muniz (coordenador das divisões de base), juntamente com a comissão patrimonial, na pessoa de João Caixero, tem trabalhado, modificado e melhorado muita coisa, mas é preciso fazer mais.

VOCÊ É CONHECIDO PELA SUA COMPETÊNCIA E PROFISSIONALISMO. O AMADORISMO DOS DIRIGENTES DO BRASIL TEM ATRAPALHADO O PROGRESSO DO FUTEBOL PERNAMBUCANO?
Completamente, hoje o Brasil não tem dez dirigentes profissionais.

A CONFRARIA É UM NINHO DE COBRAS, DE VAIDADES OU DE BOM SENSO?
É um ninho que sofreu seqüelas na eleição, mas eles são tão tricolores quanto eu. Eu não conheço um ninho de cobras, eu conheço o ninho do Santa Cruz, este mundo aqui. Este gigante, este quarto maior estádio particular do mundo e terceiro do Brasil.

HÁ UMA BOA PERSPECTIVA PARA UM FUTURO POLÍTICO NO SANTA?
Não vejo boas perspectivas na área política. Eu tenho certeza que as seqüelas irão sempre existir, mas espero contar com a ajuda de todos.

É UTOPIA IMAGINAR UM SANTA CRUZ UNIDO, SEM GRUPOS/FACÇÕES?
Não é um sonho, estamos tendo contato constantemente. Acho possível, mas divergências sempre existirão, afinal, uma união total não existe nem mesmo dentro de nossas próprias casas.

UM SONHO QUE VOCÊ AINDA NÃO REALIZOU NO FUTEBOL.
Ver o Santa Cruz campeão do mundo.



UM JOGO DO SANTA CRUZ QUE PERMANECE VIVO EM SUA MEMÓRIA.
Foi em 1993, eu era supervisor de futebol. Perdíamos de 1 x 0 para Náutico, quando o Santa virou o jogo faltando seis minutos para o final da partida e ganhamos por 2 x 1. Foi bastante emocionante, vi meus filhos chorando na vestiária, não consegui me controlar.

APESAR DOS QUILÔMETROS RODADOS, O QUE TIRA VOCÊ DO SÉRIO NO FUTEBOL?
A desorganização, o amadorismo dentro do profissionalismo, a falta de seriedade, a falta de compromisso com as cores e com o clube. As críticas infundadas, a maledicência que ainda existe. Isso são as coisas que me tiram do sério. Já a cobrança justa é essencial e oportuna para se vencer na vida. Me sinto muito bem quando sou cobrado e por isso, modéstia parte, sou um vencedor.

BASTIDORES GANHA CAMPEONATO?
Não conheço esses detalhes.

O SANTA SERÁ CAMPEÃO PERNAMBUCANO EM 2005?
Pretendemos. Respeitamos nossos adversários, com muita humildade e seriedade. Temos que continuar esse trabalho, e esperamos ser coroados de êxitos nesse ano de 2005.

PARA QUEM VOCÊ DARIA UMA BOLA DE OURO HOJE?
Muitas pessoas são merecedoras de uma bola de ouro. As pessoas que lutam pela paz no mundo, as que olham para os carentes, as que pensam em acabar com a fome, com a miséria, com a injustiça social.

E UMA BOLA DE GUDE?
O inverso das pessoas que merecem uma bola de ouro, mas prefiro omiti-los, de tão insignificantes que são.



Compartilhe:

Entrevista com o vice-presidente Édson Nogueira

* Os comentários são de total responsabilidade dos internautas. Não toleramos mensagens contendo palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.