Coralnet.com.br - Página principal

Com o Santa Cruz das arquibancadas para o Mundo - desde 1996

Plantão de Notícias

77,25

Classifique:

Futebol Profissional

Santa Cruz se solidariza pela perda do pernambucano Cléber Santana e Grafite vai a velório

Publicado: domingo,4 de dezembro de 2016, às 19:42
Por: Daniel Lima

Centenas de pernambucanos foram prestar a última homenagem a Cléber Santana, uma das 71 vítimas do trágico acidente aéreo envolvendo a delegação da Chapecoense-SC na última segunda-feira. Por volta das 11h30, o corpo do meia, revelado no Sport Recife, foi velado na sede social da Ilha do Retiro, neste domingo, e no final da tarde, às 16h, seguiu para o cemitério Morada da Paz, na cidade de Paulista, onde foi cremado à noite. 

A rivalidade do Santa Cruz com os rubro-negros virou união. A diretoria coral enviou uma coroa de flores para o velório do capitão da Chape e no começo da tarde, para completar, o atacante Grafite foi à Ilha do Retiro prestar solidariedade à família do pernambucano.  Vários jogadores que também conheciam o meia Cléber Santana se fizeram presentes na cerimônia, como o volante Everton (hoje no Central de Caruaru), o ex-meia Nildo (atuaram juntos no Sport em 2003) e os atacantes Carlinhos Bala e o atacante Túlio de Melo, ex-Chapecoense-SC e atualmente no elenco do Sport Recife. 

Apesar de uma amizade distante com Cléber Santana, o atacante Grafite revelou que o Santa tentou trazer o meia para o Arruda, mas a negociação não deu certo. Além disso, elogiou o profissionalismo do companheiro de trabalho por onde passou no futebol.  

“Me solidarizo muito com a perda porque me coloco no lugar da família. Vivemos nesse meio que viajamos muito, deixamos nossos parentes em casa, é muito difícil. Eu tinha uma boa relação com Cléber e quase o fiz estar correndo aqui junto com a gente. Queria trazê-lo para o Santa Cruz e até conversei com ele, mas ele acabou ficando na Chapecoense mesmo. É uma perda enorme”, disse Grafite em entrevista ao GloboEsporte.com.

Nascido em Abreu e Lima, Cléber Santana tinha 35 anos e deixou a mulher e dois filhos (um de 14 e outro de 11 anos), que foram para o velório. O meia estreou como profissional em 2001 e atuou pelo Sport Recife até 2003. Ele estava na Chapeconse-SC há dois anos e acumula passagens por grandes clubes: Vitória-BA, Santos-SP, São Paulo-SP, Atlético-PR, Avaí-SC, Flamengo-RJ, Criciúma-SC, Kashiwa Reysol, do Japão, e Atlético de Madrid e Mallorca, ambos da Espanha. 

Foto: Davi Saboya/Blog do Torcedor

Compartilhe:

Santa Cruz se solidariza pela perda do pernambucano Cléber Santana e Grafite vai a velório

* Os comentários são de total responsabilidade dos internautas. Não toleramos mensagens contendo palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.