Coralnet.com.br - Página principal

Com o Santa Cruz das arquibancadas para o Mundo - desde 1996

Plantão de Notícias

51,5

Classifique:

Futebol Profissional

Santa Cruz projeta integração das categorias de base com o profissional em 2017

Publicado: quinta-feira,22 de dezembro de 2016, às 11:40
Por: Daniel Lima

Uma das condições para contratar o novo técnico passava pelo perfil de trabalhar com jogadores da base. Esse foi um dos motivos que pesou para o Santa Cruz trazer Vinícius Eutrópio, que chegou ao Arruda com a missão de reconstruir o clube após o rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro. O treinador coral abraçou o projeto e prometeu implantar sua metodologia de trabalho para acompanhar de perto as categorias inferiores. 

A experiência vivida pelo treinador coral no passado pode ser fundamental no processo de utilização da garotada. Durante seis anos, entre 2000 e 2006, Eutrópio foi coordenador das categorias de base do Atlético-PR. Ele assumiu a função logo depois de se aposentar dos gramados.  Virou técnico só em 2009. 

“Os primeiros seis anos (após a aposentadoria) passei no Atlético-PR. Foi uma grande escola. Fui coordenador da base daquele time que tinha Dagoberto, Fernandinho, Jadson, Allan Bahia. Foram três anos na formação, colocando estilo de trabalho diferente como teatro, cinema e atividades desportivas diferentes. Aliado ao trabalho no Atlético-PR, me formei em Educação Física. Foram três anos na base e três como auxiliar de vários treinadores como Abel Braga, Renê Simões e Antônio Lopes”, relembrou. 

A ideia de Vinícius Eutrópio é estreitar a relação das divisões de base com o profissional. Assim, pretende integrar ao time profissional os jovens que se destacarem e sempre tentando fazer com que eles não pulem etapas.  “No Brasil se fala muito em interação. Coloca-se um garoto para treinar quando o elenco está muito cheio. Com um pouquinho de experiência que eu tenho em outros clubes, precisamos fazer interação maior com treinadores da base, um processo de subida dos garotos de uma forma mais gradativa e consciente para que o clube não perca estes meninos. A gente queima muitas etapas. Quando um jogador sobe, fica dois, três meses no profissional”, argumentou. 

Com o intuito de revelar promessas da base do Santa Cruz, o técnico tricolor espera deixar um legado no Arruda. “O que a gente pode fazer é isso: subir garotos, oportunizar, mas criar protocolos e procedimentos para isso. Para amanhã, quando eu sair, espero que eu demore bastante, que eu deixe um legado”, finalizou. 

Compartilhe:

Santa Cruz projeta integração das categorias de base com o profissional em 2017

* Os comentários são de total responsabilidade dos internautas. Não toleramos mensagens contendo palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.