Coralnet.com.br - Página principal

Com o Santa Cruz das arquibancadas para o Mundo - desde 1996

Plantão de Notícias

90,125

Classifique:

Futebol Profissional

Eutrópio não tem pressa para escalar reforços Júlio César e Facundo Parra

Publicado: terça-feira,14 de fevereiro de 2017, às 09:34
Por: Daniel Lima

O início arrasador de Halef Pitbull como titular no Santa Cruz dá tranquilidade ao técnico Vinícius Eutrópio em relação à montagem do ataque titular. Não é à toa que o treinador evita dar um prazo para contar com os novos reforços: os atacantes Júlio César e Facundo Parra, que estão treinando com todo o elenco desde a última sexta-feira. Sem nenhuma pressa para escalá-los, afirmou que a utilização deles vai depender do desempenho ao longo dos trabalhos.

“Isso é uma resposta muito individual. A gente não estabelece tempo porque estamos conhecendo os jogadores agora. Não existe isso no futebol de o cara chegar e a gente já dizer em quantos dias ele vai jogar. Temos que ir conhecendo o jogador e ele vai te dando a resposta”, declarou o comandante coral.

Como estão há mais de um ano sem atuar, os recém-contratados Júlio César e Facundo Parra recebem uma atenção especial da comissão técnica antes de jogar pelo Santa. Ambos aguardam a regularização junto à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para ficarem aptos.  De acordo com o técnico Vinícius Eutrópio, a estreia da dupla pode ser antecipada com um trabalho intenso durante os treinamentos.

“O que a gente pode fazer é acelerar o processo, respeitando sempre o jogador para colocá-los o mais rápido possível em campo”, disse o treinador tricolor.

Júlio César não atua desde o dia 6 de março do ano passado, quando defendia o Al Khor, do Catar. Já o argentino Facundo Parra jogou pela última vez no dia 8 de maio, pelo Atlético de Rafaela, no Campeonato Argentino. 

Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press 

Compartilhe:

Eutrópio não tem pressa para escalar reforços Júlio César e Facundo Parra

* Os comentários são de total responsabilidade dos internautas. Não toleramos mensagens contendo palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.